Decisões afastam contribuição previdenciária sobre verbas saláriais.

26 de março de 2012 21:40 0 comentários Views: 945

Duas recentes decisões dão fôlego para as empresas questionarem a incidência das contribuições previdenciárias pagas sobre determinadas verbas trabalhistas, tema que ainda gera controvérsias e impasse no próprio Judiciário.

Em uma das decisões, o relator do processo no Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) decidiu monocraticamente reformar decisão de primeira instância e afastou a exigência da contribuição social sobre os pagamentos realizados à título de aviso prévio indenizado, salário família, bem como sobre o adicional de 1/3 de férias e os 15 primeiros dias do auxílio-doença e auxílio acidente.

“O magistrado levou em conta que já há posicionamento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Supremo Tribunal Federal (STF) de que certas verbas são indenizatórias e, portanto, não estão na base de cálculo da contribuição ao INSS”, afirma Lilian Sartori, advogada do Lopes & Castelo Sociedade de Advogados e responsável pelos casos.

Segundo ela, a tendência é que magistrados de primeira e segunda instância já apliquem o entendimento dos tribunais superiores, inclusive em decisões monocráticas. “Essa será a direção, mesmo não havendo ainda decisões definitivas sobre algumas verbas, como súmulas ou recursos julgados com repercussão geral”, afirma.

A polêmica do tema gira em torno de estabelecer quais são as verbas de natureza salarial ou remuneratória, sobre as quais incide a contribuição, e quais são as indenizatórias ou de premiação, que não representam contraprestação por serviço prestado e, portanto, não integram a base de cálculo do repasse ao INSS.

O STJ já pacificou, inclusive em sede de recurso repetitivo, que os valores pagos nos primeiros 15 dias de afastamento por auxílio-doença não são salário. O Tribunal também já tem consenso sobre auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-creche e adicional de um terço de férias. Porém, não há unanimidade nos tribunais superiores em relação ao aviso prévio indenizado e pagamento de horas extras.

Nos casos de salário maternidade, adicional de tempo de serviço, adicionais de insalubridade e periculosidade o cenário também é incerto, com decisões favoráveis e desfavoráveis ao contribuinte.

O STJ vem consolidando que o vale transporte pago em dinheiro tem natureza indenizatória e não pode fazer parte da base de cálculo da contribuição ao INSS.A decisão de primeira instância, que beneficiou uma empresa de fibra de vidro, é uma liminar da 1ª Vara da Justiça Federal de Piracicaba, do início de março.

Nela foi reconhecido o direito do contribuinte de suspender a exigibilidade das contribuições previdenciárias pagas nos 15 primeiros dias de afastamento decorrente do auxílio-doença e do auxílio acidente, bem como sobre o adicional de 1/3 de férias. O salário maternidade foi mantido na base da contribuição, bem como o adicional de horas extras, adicional noturno, de insalubridade e de periculosidade.

“O pagamento feito ao empregado nos primeiros quinze dias de afastamento do trabalho, anteriores ao início do benefício de auxílio-doença, assim como o auxílio acidente, possuem natureza indenizatória, porquanto representam verbas decorrentes da inatividade imposta ao empregado por motivos alheios à sua vontade e de seu empregador, não se conformando, portanto, com a noção de salário.

No que tange ao adicional de 1/3 de férias, tem entendido o STF que não integra o conceito de remuneração, não havendo, pois, incidência de contribuição previdenciária”, afirma o juiz ao citar caso relatado pelo ministro Celso de Mello, do STF.

Para ele, quanto à verba paga a título de prêmio por tempo de serviço, é necessário verificar se há habitualidade no seu recebimento. “No entanto, não há prova pré-constituída sobre a habitualidade ou não do prêmio, razão pela qual não é possível deferir a medida neste ponto.”

Já a decisão do TRF-3, do final de fevereiro, envolvia valores de cerca de R$ 115 mil. O relator ressaltou que “o pensamento externado pelas duas Turmas do STF, que vem ganhando adesão no STJ, finca-se na consideração de que a verba remuneratória do trabalho e sobre a qual deve incidir a contribuição é aquela que vai se perpetuar no salário ou subsídio do mesmo”.

Assim, para ele, o adicional de férias “não vai aderir inexoravelmente a retribuição pelo trabalho”, pois quando o trabalhador se aposentar não o receberá mais. Por outro lado, para ele, os salários maternidade e paternidade têm caráter remuneratório.

Quanto ao aviso prévio indenizado, o relator afirmou que “o pagamento dessa verba não corresponde a qualquer prestação laboral, pelo contrário, é paga justamente para que o trabalhador não cumpra o aviso prévio normal, ou seja, o empregador não deseja mais a presença dele.”

No caso, após o trânsito em julgado, a empresa poderá compensar os valores indevidamente recolhidos nos últimos cinco anos. Lilian Sartori acredita que ainda deve se conseguir afastar a contribuição sobre outras verbas, como adicional de hora extra.

Fonte: Diário do Comercio e Indústria, por Andréia Henriques, 23.03.2012

Print Friendly

Deixe uma resposta

Você deve estar logado para postar um comentário.

Rastreio

Outras Notícias

  • Leis Trabalhistas Previdência Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias, Trabalhistas e Fiscais (EFD-Social)

    Escrituração Fiscal da Folha de Pagamento e das Obrigações Previdenciárias, Trabalhistas e Fiscais (EFD-Social)

    A EFD-Social consiste na escrituração digital da folha de pagamento e das obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais relativas a todo e qualquer vínculo trabalhista contratado no Brasil. É um módulo no âmbito do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) e se constitui em mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes. A EFD-Social é um projeto que atenderá as necessidades da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), […]

    Leia Mais →
  • Circular da CAIXA Leis Trabalhistas DCN – Documento cadastramento NIS (PIS) – C.E.F

    DCN – Documento cadastramento NIS (PIS) – C.E.F

    Publicado em 6 de Março de 2012 às 10h24 A Caixa Econômica Federal (Caixa) instituiu a obrigatoriedade de os empregadores efetuarem o registro de seus empregados no Cadastro Número de Inscrição Social (NIS), a ser feito por meio do Documento de Cadastramento do NIS (DCN), que se pode capturar no site da Caixa no endereço www.caixa.gov.br. Deve ser cadastrado o trabalhador, vinculado à empresa privada ou cooperativa, enquadrado em uma das seguintes categorias: a) empregado – assim definido pela legislação […]

    Leia Mais →
  • Leis Trabalhistas Legislação proíbe o trabalho em feriado – MTE

    Legislação proíbe o trabalho em feriado – MTE

    Exceção é apenas para categorias com autorização em Lei ou convenção coletiva  Brasília, 06/09/2012 – No Brasil o trabalho em dias de feriados civis e religiosos é vedado pela Legislação, porém, essa regra não é absoluta. Existem empresas que não podem interromper suas atividades por questões técnicas e, portanto, seus empregados estão sujeitos a trabalharem também nos feriados. Nessas situações, o trabalho será remunerado em dobro, salvo se o empregador determinar outro dia de folga como compensação.      Os […]

    Leia Mais →
  • Leis Trabalhistas MTE atualiza norma de fiscalização sobre inclusão de pessoas com deficiência.

    MTE atualiza norma de fiscalização sobre inclusão de pessoas com deficiência.

    A nova IN uniformiza procedimentos adotados pela fiscalização do MTE nas inspeções sobre a cota legal de inclusão no trabalho de pessoas com deficiência e beneficiários da Previdência Social reabilitados. Art. 93- A empresa com cem ou mais empregados está obrigada a preencher de dois por cento a cinco por cento dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência, habilitadas, na seguinte proporção: até 200 empregados, 2%; de 201 a 500, 3%; de 501 a 1.000, 4%; […]

    Leia Mais →
  • INSTRUÇÃO NORMATIVA Leis Trabalhistas Novas Leis INSTRUÇÃO NORMATIVA – Nº 97/2012 – D.OU 31/07/2012 – APRENDIZ

    INSTRUÇÃO NORMATIVA – Nº 97/2012 – D.OU 31/07/2012 – APRENDIZ

    O  MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO (SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO)  publicou a  IN nº 97/2012 . D.O.U. de 31/07/2012 – Seção 1 – Págs. 73 a 75. Que trata do APRENDIZ, normatizou para os casos  em que a empresa resolva efetivar o aprendiz dando continuidade a já existente relação de emprego, deverá considerar extinto o contrato de aprendizagem, dando quitação das verbas rescisórias e assinatura de novo contrato de trabalho. Art.10…. § 3º A contratação do aprendiz como empregado […]

    Leia Mais →
  • Novas Leis Previdência LEI Nº 12.692, DE 24 DE JULHO DE 2012 – D.O.U 25.07.2012 | Texto do VETO

    LEI Nº 12.692, DE 24 DE JULHO DE 2012 – D.O.U 25.07.2012 | Texto do VETO

    Altera os arts. 32 e 80 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, para dispor sobre o acesso do empregado às informações relativas ao recolhimento de suas contribuições ao INSS A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o  Os arts. 32 e 80 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, passam a vigorar com a seguinte redação: “Art.32.  ……………………………………………………………… ……………………………………………………………… VI – comunicar, mensalmente, aos […]

    Leia Mais →
  • INSTRUÇÃO NORMATIVA Leis Trabalhistas INSTRUÇÃO NORMATIVA SRT No 15, DE 14 DE JULHO DE 2010  – D.O.U. 15.07.2010

    INSTRUÇÃO NORMATIVA SRT No 15, DE 14 DE JULHO DE 2010 – D.O.U. 15.07.2010

    Estabelece procedimentos para assistência e homologação na rescisão de contrato de trabalho. A SECRETÁRIA DE RELAÇÕES DO TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 5o, inciso IX, do Regimento Interno da Secretaria de Relações do Trabalho, aprovado pela Portaria Ministerial no 483, de 15 de setembro de 2004, e tendo em vista o disposto nas Portarias no 1.620 e no 1.621, de 14 de julho de 2010, resolve: Capítulo I Seção […]

    Leia Mais →
  • Previdência Governo quer isentar de perícia do INSS para afastamentos até 60 dias

    Governo quer isentar de perícia do INSS para afastamentos até 60 dias

     Atestados médicos para afastamento do trabalho até 60 dias de segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderão ser emitidos por médicos de fora do instituto, por meio de atestado eletrônico e certificado digital. A expectativa do Ministério da Previdência Social e do INSS é que o sistema esteja implantado em todo o país até maio de 2013. “É um mecanismo para facilitar a vida do segurado, mitigar a pressão que vem sido feita pelo volume de perícias. É […]

    Leia Mais →